Escuta-me, pretendíamos apenas estar juntos.

A terra firme sob os pés. Tínhamos deixado os olhos
no átrio crescendo lá em cima. Quase terrestre a
única estrela propagada à manhã do dezembro
marítimo.
A terra era uma vigilância sem fim.
Transbordando
a água ali ainda líquida audível sem limite
passando de um a outro a alegria de coisa simples
cantiga nossa acordando os peixes
os grandes peixes desenhando
barbatanas guelras ora repouso ora movimento.

Escuta-me. Por favor escuta-me. O mar
estava com pequenas ondas.

Bebemos? Coca-cola e cerveja.
Sonhávamos? Com o rosto do sorriso
a vibração de que estando nu existe pela
serenidade de dezembro
terrível graça.

Escuta. Apenas queríamos ver o mar. Éramos cerca
de quarenta e apenas queríamos ver o mar. Ver o mar.

João Miguel Fernandes Jorge

3 comentários:

Anónimo disse...

Good design!
[url=http://rhkzifsz.com/khnq/udck.html]My homepage[/url] | [url=http://xppsymbu.com/iavj/ehyy.html]Cool site[/url]

Anónimo disse...

Good design!
My homepage | Please visit

Anónimo disse...

Well done!
http://rhkzifsz.com/khnq/udck.html | http://rfmupnhe.com/oiap/rkul.html

Arquivo